domingo, 11 de setembro de 2011

No topo...

Faltam-me ainda muitas coisas no curriculum, mas a subida à Torre de bicicleta deixou hoje de ser uma delas.
De manhã, bem cedo, dirigi-me para Viseu onde me encontrei com o meu colega de Natação Diogo (que também pedala) com o objectivo de fazermos Viseu - Nelas - Seia - Torre.


O tempo não estava brilhante mas também não ameaçava chover e, com todos os preparativos feitos, pusemo-nos ao caminho.
A duração deste desafio não era importante, queríamos era alcançar o cume da Serra da Estrela, pelo que o ritmo foi controlado ao longo do carrocel que é o sobe e desce entre Viseu e Seia. Aí chegados a coisa muda de figura. As subidas, até agora mais suaves e que iam alternando com as descidas, dão lugar a uma subida com mais de 20 kms e inclinações assustadoras (ainda que com 2 ou 3 curtas, muito curtas, descidas).
Mas tudo isto não era novidade para nós. Foi este o desafio a que nos propusemos, sabíamos o que íamos encontrar, por isso havia era que pedalar. E assim fizemos. Os andamentos resumiram-se a 25 (porque não tinha maior), 23 e, muito raramente, o 21. A cadência, contrariamente à frequência cardíaca, diminuía cada vez que a inclinação aumentava. Quando a coisa não subia muito dava para pedalar sentado mas, quando o inclinação era brutal (e tantas foram as inclinações brutais) não havia outra coisa a fazer que não fosse pedalar fora do selim.
E assim foram passando os kms (e a subida) até que, finalmente, chegámos ao Sabugueiro. Aquela descida soube às mil maravilhas mas, a subida que se seguiu foi penosa, muito penosa. Mais uns kms (quantas vezes eu pensei em voltar para trás...) e alcançámos a Lagoa Comprida. Mais uma descida (ainda que curta sempre dá para aliviar as pernas) e a meteorologia guardou-nos para esta parte final, já de si penosa, uma boa dose de vento, nevoeiro (bastante denso) e frio.
Contudo, a proximidade da Torre fazia esquecer tudo isto e, quase 4 horas depois de partirmos de Viseu lá alcançámos o (merecido) topo onde a esposa do Diogo (obrigado Filomena!) nos aguardava com o carro para regressarmos.


Depois de recuperar um pouco lá regressámos ao Sabugueiro onde, no Abrigo da Montanha, nos aguardava um banho e um belo almoço.
Bela experiência a repetir mas agora atacando a serra por outra vertente.
Aqui ficam alguns números.
Duração: 3h 45m
Distância: 73km
Ganho de elevação: 2410m

3 comentários:

Pedro Brandão disse...

Parabens Hugo. É uma subida lindissima. Tens de experimentar pelo lado da Covilhã qua a meu ver é ainda mais dura mas também muito bonita.
Mais uma pra o curriculo :)

liliana disse...

Ora cá estou eu... no Blogger do meu Amor...para lhe dar os Parabéns!!
Afinal, subir a Serra não é para qualquer um!! És um espectáculo!!

Beijo grande e continuação de bons treinos!!

Bruno R Cruz disse...

Grande Hugo, foi com enorme alegria que li o resumo deste trajecto... todo este resultado demonstra a boa forma que estás.
Um grande Abraço...