terça-feira, 16 de abril de 2013

Duatlo de Torres Vedras 2013 - Campeonato Nacional

Torres Vedras recebeu, mais uma vez, o Campeonato Nacional de Duatlo (Individual e de Clubes). A prova, disputada na distância standard (10 kms de corrida + 38 kms de ciclismo + 5 kms de corrida), contou com a presença de cerca de 200 atletas, mostrando que a modalidade está de boa saúde.



Depois de um Inverno (e início de Primavera) onde a chuva se fez sentir de uma forma anormal, o fim de semana trazia consigo o sol e as temperaturas mais altas. Se juntarmos ao bom tempo um local agradável (Parque Verde da Várzea), temos reunidas as condições para uma prova espectacular.
Depois de, no ano passado, ter feito uma boa prova neste mesmo local, este ano ia com expectativas de alcançar um bom resultado. O percurso, embora bastante semelhante ao do ano anterior, tinha mais alguns metros em cada volta da corrida o que fez com que a distância (e os tempos) sofressem alterações.



O primeiro segmento (4 voltas de corrida no Parque Verde da Várzea) - composto por um piso misto (um pouco de alcatrão e muita terra batida), bastante ondulante e com muitas curvas e mudanças de direcção - foi feito em progressão. Inicialmente mais comedido no andamento fui ganhando posições à medida que os kms se foram sucedendo e, já na última volta, encontrei um companheiro com quem segui até à primeira transição (sendo 2 a pedalar as coisas são mais simples, pensei eu). A média (quer do ritmo quer da frequência cardíaca) desta primeira corrida deixou-me contente, por um lado, mas apreensivo, por outro lado. Serei eu capaz de pedalar bem depois de ter feito um corrida destas?...




Após a transição seguiam-se 6 voltas de ciclismo, com um percurso exigente (3 retornos e 2 subidas em cada volta). À medida que os kms iam passando o grupo ia engrossando, juntando cerca de 15 atletas. Não foi um grupo que trabalhasse bem, pelo contrário. Nunca houve uma organização bem conseguida e foram poucos os que passaram pela frente a dar o seu contributo. Uma ou outra vez alguém esboçava uma tentativa de fuga que era rapidamente anulada pelo grupo. O facto de termos cerca de 2 minutos de atraso do primeiro grupo e outro tanto de avanço dos que nos seguiam terá também contribuído, certamente, para isto.


Para terminar faltavam ainda duas voltas ao percurso inicial de corrida. A saída do parque de transição foi, naturalmente, forte. Saí praticamente ao mesmo ritmo que fiz a primeira corrida e, para minha admiração, as sensações eram boas. Fiz 4 kms muito bons e, já no km final, o traidor (que é como quem diz, o ísquio-tibial direito) revelou-se. Primeiro ameaçou com uma pequena contracção. Ainda abrandei um pouco o ritmo para evitar a câimbra mas, meia dúzia de passos depois, foram duas as contracções e, logo de seguida, uma forte câimbra obrigou-me a parar e alongar. Alguns segundos depois (muitos, naquele momento pareceu-me uma infinidade) e 3 ou 4 posições atrás lá recomecei a corrida com a calma necessária para conseguir concluir a prova. Apesar desta peripécia fiquei extremamente contente com a minha prova e com a classificação obtida.
Como habitualmente os momentos de convívio antes e depois da prova com os companheiros da "tribo" são também bastante agradáveis e, foi com prazer, que revi alguns deles. Um abraço para todos!
Finalmente um agradecimento especial à Lili que, mais uma vez, cumpriu - e muito bem - uma panóplia de funções (desde companheira de viagem a seccionista  do Porto Runners, passando por fotógrafa, ela fez de tudo).
Aqui ficam os números.
1.ª Corrida: 35' 42''
T1: 00' 30''
Ciclismo: 1h 05' 18''
T2: 00' 25''
2.ª Corrida: 19' 32''
Total: 2h 01' 29''
Classificação: 15.º Lugar Absoluto, 9.º Sénior Masculino