terça-feira, 17 de junho de 2014

Northwest Triman - Ironman


A localidade de As Pontes (Corunha, Espanha) marcou a minha estreia na mítica distância Ironman (3,8 km de natação + 180 km de ciclismo + 42,2 km de corrida).
Este era um desafio que eu queria realizar há já algum tempo e, embora as condições para me preparar não fossem as melhores (a lesão que me atacou ainda por cá anda a fazer das suas...), fi-lo o melhor possível e foi com confiança e, naturalmente, alguma apreensão que às 7h00m da manhã estava na praia para enfrentar estes 226 kms.


A natação (cujo segmento consistia em 2 voltas realizadas no Lago Artificial - uma fabulosa estrutura, que serviu de sede à prova e que foi construído depois de terminar a exploração de carvão que alimentava a gigantesca central térmica à entrada da localidade) correu bem. Fiz o mesmo tempo em ambas as voltas, consegui gerir bem o esforço e naveguei correctamente.


O ciclismo (cujo segmento consistia em 3 voltas a um percurso totalmente fechado ao trânsito, com um perfil muito "ondulante" e marcado pelo forte vento que se fez sentir) foi um segmento onde contenção foi a palavra de ordem. Estava com receio deste segmento. Quer pela lesão, quer por um esforço um pouco elevado pôr toda a prova em risco. Fui sempre atento a 3 coisas: nutrição, cadência e frequência cardíaca. No final o plano deu resultado pois conclui o segmento "fresco", embora o tempo tenha sido ligeiramente acima do planeado mas isso era, para mim, uma questão secundária.


A corrida final (cujo segmento consistia em 3 voltas num piso de terra batida que acompanhava o lago) iniciou-se muito bem. Saí para a corrida "solto" e o ritmo rondava os 4' 45''/km com a frequência cardíaca nos 140 bpm. Óptimo, pensei eu. A FC está perfeita e o ritmo, ligeiramente abaixo do planeado.


Há que comer e beber para levar a prova até ao fim. E assim foi até que, sensivelmente a meio da corrida, as pernas começaram a dar sinal. A partir daí, e até ao final, foi uma batalha entre o corpo e a mente. Um queria parar, o outro queria correr o mais rápido possível. Acabámos por chegar a um acordo. Corria como podia entre os abastecimentos e caminhava durante estes. E assim foi até ao final.
No último km as emoções vieram, finalmente, à tona e saboreei tudo o que, com tantas horas de treino e privação, conquistei. Se valeu a pena? Definitivamente, sim.


Aqui fica um resumo dos tempos.
Natação (3,8 km): 1h19'26''
T1: 5'40''
Ciclismo (180 km): 6h06'42''
T2: 3'13''
Corrida (42,2 km): 3h53'40''
Total: 11h28'40''
Classificação: 68.º lugar geral (cerca de 400 triatletas à partida)
Todos os resultados podem ser consultados aqui.


A equipa do Porto Runners está de parabéns. Colectivamente a secção masculina classificou-se em 4.º lugar entre as 22 equipas presentes e a Susana venceu a competição feminina.

À organização também só posso dar os parabéns. Tudo foi (bem) pensado e proporcionaram-nos óptimas condições para a prova. Desde os abastecimentos (bastante completos) aos voluntários (incansáveis ao longo de todos os percursos sempre com o "ânimo" característico dos espanhóis), tudo foi bom (o facto de alguns dos elementos da organização serem triatletas e já terem realizado provas na distância Ironman é certamente um factor que contribuiu para este sucesso).

Resta-me agradecer a todos os que contribuíram para que este desafio fosse superado: Dra. Patrícia Gomes (podologista), António Facão (bike fit), Dr. André Haug (Fisioterapeuta), Nuno Ferreira (colega de muitos kms de bicicleta) e, claro, à minha noiva Liliana que comigo partilhou todas as angústias, incertezas, horas de treino mas também as alegrias. Obrigado a todos!

Agora há que recuperar e preparar os próximos desafios. A minha disputa com esta distância fica em "stand by", uma vez que não fiquei convencido com esta batalha.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Hard Work... Done!

O objectivo da época aproxima-se a passos largos e, com os treinos deste fim de semana, o trabalho árduo ficou feito.
Aqui pelos "arredores" de Viseu, fiz um treino longo de ciclismo seguido de uma ligeira corrida.


O percurso foi escolhido de forma a não ter subidas grandes (embora tenha tido grandes subidas) mas o sobe e desce é inevitável nesta zona e, no final dos 140 kms, a altimetria ultrapassou os 2.500 D+. Não é o ideal para a prova mas é o que consegue...

 

Depois do ciclismo e de uma transição breve fiz cerca de 7 kms de corrida e as sensações foram boas.

 

Agora é tempo de descansar e aguardar o grande dia.
Bons treinos!