terça-feira, 28 de dezembro de 2010

17.ª S. Silvestre Cidade do Porto

Domingo, final da tarde na cidade do Porto e a Avenida dos Aliados está apinhada de gente. Se fosse a Rua de Santa Catarina, dada a época natalícia que se vive, ainda se poderia justificar com a azáfama das compras mas não é. O que se passa então? É mais uma edição da corrida S. Silvestre Cidade do Porto.



Por entre as rabanadas e o bolo rei lá arranjei um tempo para ir ao Porto correr esta prova emblemática. Eu e mais 5.000 pessoas, dado que o limite das inscrições foi atingido bem antes do fim de semana, esgotando assim as inscrições. A noite estava fria mas a Avenida estava fantástica com todo o movimento que caracteriza uma prova desta envergadura.


O momento não é de forma - nem é isso que se pretende nesta altura - mas o orgulho e a concorrência [e uma espectadora VIP dizem as más línguas ;)]  não permitem encarar a prova de outra forma que não seja dar o meu melhor.
Feito o aquecimento (e posta a conversa em dia) lá nos dirigimos (cedo pois os 5.000 inscritos assim o exigem) para a partida para tentar tomar o melhor lugar possível. Nunca tinha corrido esta prova mas dizem os mais rodados que dura é o melhor adjectivo para a descrever. Vai daí que eu tenha encarado a parte inicial com algum cuidado não fosse apanhar alguma surpresa.
A prova consistia em 2 voltas de 5 kms cada, perfazendo 10 kms no total. Cada uma das voltas tinha metade a subir (da Praça da Liberdade até à Praça do Marquês de Pombal)  e metade a descer (da Rua da Constituição até à Avenida dos Aliados), ambas custosas embora por razões diferentes.
Ao longo de todo o percurso tinha sempre bastante público a assistir e a apoiar os atletas o que foi muito bom e me deu ânimo.
Consegui fazer a 2.ª volta mais rápida que a 1.ª (negative split) o que foi bastante bom e mostra que, afinal, não estou assim tão mau...

(No final da prova com o Marco - Arvor - e o Jorge - Afis -, meus colegas de treino e igualmente discípulos do treinador António Branco. O Jorge fez, mais uma vez, uma prova fantástica terminado juntamente com a 1.ª atleta feminina - Fernanda Ribeiro)

Relativamente ao tempo, demorei 36' 43'' (ritmo médio de 3' 40''/km) a cumprir a prova o que me permitiu qualificar em 76.º lugar da classificação Geral e 47.º lugar do escalão Sénior Masculino.

sábado, 25 de dezembro de 2010

What are you doing on Christmas Eve?

Eis que é chegado mais um Natal!

Nesta época do ano, tudo é esquecido e o mundo, milagrosamente, nem parece o mesmo. As famílias reúnem-se, revêm-se pessoas que já não viamos há muito, enviamos mensagens para toda a gente, compramos prendas, somos solidários, canções e decorações natalícias estão por todo o lado...

Com tudo isto os treinos acabam sempre por serem sacrificados o que, a juntar aos banquetes habituais, dá o resultado que já conhecemos...

Mas há excepções. E é por isso que só alguns são realmente bons. Porque trabalham para isso...
Um dia perguntaram ao sr. Armstrong a que se devia o sucesso dele, ao que ele respondeu: "The answer is hard work. What are you doing on Christmas Eve? Are you riding your bike?".


"Everybody wants to know what am I on. What am I on? I'm on my bike, busting my ass 6 hours a day. What are you on?".

Milagres?!... Só no Natal...

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

(Ainda) a Maratona do Porto

É verdade, a Maratona do Porto ainda faz correr tinta...
No suplemento "Mundo da Corrida" da "Revista Atletismo" de Dezembro vem um artigo sobre a 7.ª Maratona do Porto, "a maior de sempre", como refere a publicação.
Na margem esquerda deste artigo aparece o resultado de uma breve entrevista que me fizeram logo após terminar a prova.
Aqui fica, para mais tarde recordar...

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

53.ª Volta a Paranhos

Um mês depois da Maratona do Porto regressei às competições.
Após recuperar da Maratona iniciei a minha época "triatlética". De uma forma pouco consistente é certo, mas iniciei. Por entre constipações, chuva e alguma preguiça o plano de treinos tem ficado algumas vezes por cumprir. Nada de muito grave para esta fase da preparação mas, ainda assim, é algo que me desagrada.
De tal forma que, quando me falaram em participar na Volta a Paranhos, fiquei renitente. Mas, porque não? Vou recordar o local onde estudei (e que mudado aquilo por lá está!) e aproveito para estar com a malta amiga e fazer um andamento mais rápido.
A prova é emblemática. 53.ª realização, 10 kms, muitos atletas, partida e chegada junto ao que resta do estádio do Salgueiros.



A minha ideia inicial era começar com moderação e depois, em função de como me sentisse, fazer o resto da prova. Mas, decididamente, eu não consigo ser moderado. Nem com o Garmin que fielmente me vai indicando a cadência...
Eu bem procurei partir calmo mas rapidamente estava a correr na casa dos 3'30''/km. Lá fui controlando como pude o andamento mas, a partir do meio da prova, a minha falta de treinos fez-se sentir e tive que sofrer um pouco até ao final. É bem feito, eu mereço!...
Na meta o cronómetro registou 36'50'' (médias: 3'38''/km, 181bpm).