domingo, 27 de fevereiro de 2011

Porque eu não fui ser jogador de futebol!!??

O triatleta Brasileiro Mauro Cavanha publicou no seu blog (aqui) um texto que eu considero fabuloso sobre o Futebol e o Triatlo e que agora transcrevo. A última frase é soberba...



É... como 99% dos brasileiros eu também já quis ser jogador de futebol!!
Ainda lembro quando estava nas primeiras séries do Ensino Fundamental, e fui com meu pai fazer a inscrição na escolinha de futebol do colégio. Por sorte ou não, já estava lotada!

Minhas outras opções eram Judô ou Natação.

Optei pelo Judô, sempre fui fominha nos treinos, queria logo trocar de faixa!
Lutei por 3 anos, quando fui convidado treinar na equipe mais forte, que treinava anoite, meu pai achou muito tarde e não deixou, desisti porque não queria treinar na equipe mais fraca. Já tinha pretenção de ser profissional em um esporte.
Foi então que a Fernanda Keller fez sucesso e pela televisão conheci o IronMan!!
Pronto, tava lascado!! A partir desse dia eu queria ser um Homem de Ferro!!!

Ahh se eu soubesse o trabalho que da ser um triatleta!! E olha que ainda nem competi um IronMan, prova que dura mais de 8 horas!!

Durante os treinos ou mesmo competindo, quantas vezes já me perguntei o porque escolhi um esporte tão exigente, que precisa de tanto empenho e dedicação!!

Triatleta passa um terço do dia treinando!!

Jogador de Futebol nem precisa treinar todo dia...


O trabalho é árduo e o reconhecimento parece tão distante...


Jogador de Futebol ganha a segundona do Estadual e fica milionário...

Triatleta, pra ser milionário, tem que ganhar o Mundial e mais a Mega-Sena!!


Em época de Copa do Mundo me faz pensar ainda mais, lá estão os heróis da pátria, e o Brasil inteiro segue seus passos, desde a formação do elenco até a saída triunfal quando deixam sua nação...


Jogador de Futebol quando viaja nem precisa fazer check-in, passa no tapete vermelho, são assediados pelo público e aterrizam na janelinha do piloto...

Triatleta tem que fazer check-in, depois ir na lojinha pagar a taxa da bicicleta, e sem ser notado vaí até o fundão do avião!!


Tem dias que os treinos não rendem, e tem dias que não rendemos nas competições...


Jogador de Futebol quando tá cansado, senta no banco dos reservas...

Triatleta cansado... já era!!

 Levando todo dia o corpo perto do limite, as vezes ultrapassamos e surgem lesões...

Jogador de Futebol se machuca e continua recebendo salário por meses...

Triatleta se machuca e tem que correr atrás de dinheiro pra fisioterapia!!


As refeições são controladas...


Jogador de Futebol se hidrata com cerveja e é guerreiro...

Triatleta bebe água e no máximo é o motorista da rodada!!


Tanta dedicação as vezes precisa de uma folga...


Jogador de Futebol depois do treino vai pro pagode...

Triatleta depois do treino fica imprestável...


Mas o descanço não pode ser longo, seus adversários estão treinando...


Jogador de Futebol são 11 contra 11...

Triatleta é 1 contra 100!!


Quanto maior o desafio, maior é a vitória!! O triathlon é um esporte que o faz crescer como pessoa, conhecer seu próprio corpo e controlar sua mente. Foco, disciplina, determinação e superação viram hábitos...


Em alguns esportes você precisa ter uma bola...

No Triathlon é preciso ter duas!!

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

26.º Grande Prémio de Atletismo de Estarreja

A cidade de Estarreja recebeu este domingo o 26.º Grande Prémio de Atletismo. Este ano com a particularidade de ser simultaneamente o Campeonato Distrital de Estrada.


O dia acordou bastante chuvoso, frio e ventoso, o que - para além de ser desagradável para a corrida - punha em causa o meu objectivo de baixar os 35' aos 10 kms. Contudo, à medida que a hora da prova se aproximava, a chuva foi parando e, climaticamente, a corrida até não foi má.
Depois das provas dos escalões mais jovens e das juniores/séniores femininas (foi uma prova separada do sector masculino), era chegada a nossa vez de correr. A prova - com 10 kms de extensão - consistia em duas voltas - uma volta pequena (cerca de 3 km) e outra grande (com a restante distância).
Como havia estabelecido um objectivo bastante claro para esta prova (baixar os 35', nem que fosse por 1 segundo) procurei cumpri-lo. Assim parti com moderação (como é meu hábito) e passei com 3'31'' ao 1.º km. Óptimo, pensei eu. Agora é só manter o ritmo!
E assim foi. Fiz toda a prova com um ritmo controlado - entre os 3'27'' e os 3'31''/km -, senti-me bastante bem - só nos últimos 2 kms é que tive que sofrer um pouco - e consegui alcançar o meu objectivo - 34'41''.
No km final fui alcançado pelo meu colega de equipa Hélder e acabámos por ter um desfecho de prova semelhante à Corrida do Mártir - Cucujães, Agosto.2010 mas, desta feita, com a vitória a sorrir-me a mim... :)
Colectivamente o C. A. Ovar - que se fez representar por muitos e bons atletas - conseguiu um honroso 5.º lugar.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Open de Inverno de Masters

Alegrem-se!... Eu resisti ao fim de semana e estou cada vez melhor na água. Ando até com uma sensação estranha na pele mas penso que são as escamas a nascer... :-)

Ponte de Sôr acolheu este fim de semana - 29 e 30 de Janeiro - o "Open de Inverno de Masters" da Federação Portuguesa de Natação. O Clube Desportivo Feirense - que represento com orgulho - esteve presente com uma comitiva constituída por 9 atletas - 2 mulheres e 7 homens - com idades compreendidas entre os 27 anos e os 49 anos, sabiamente orientados por André Bastos, e arrecadou 5 medalhas de prata e 1 de bronze.

(Em cima: Rogério, Hugo, Cristina e Maria João;
Em baixo: Diogo, Marcelo, Daniel, João e André)

Apesar de não ter qualquer pressão foi com alguma apreensão que eu encarei esta minha estreia em competições de Natação. Como é sabido este é o segmento onde me sinto menos à vontade. Contudo, devido ao trabalho que tenho vindo a fazer com a orientação do André Bastos, tenho sentido uma evolução na modalidade e gostava de saber o que estava a valer. Por outro lado, não há como não ficar um pouco ansioso ao entrar na piscina e ver mais de 300 pessoas a nadar...
E foi assim que parti para a minha primeira prova - 100 Bruços. Fiz uma boa prova, em progressão, terminando em 1'38'' (bem melhor do que esperava). Animado com a minha estreia só queria era voltar para a água. Mas ainda teria que esperar pois só voltaria a competir de tarde, nos 100 Livres. No entanto, o almoço trouxe uma má noticia. À saída da piscina, ao verificar os tempos das provas da manhã, vejo que tinha sido desqualificado (dupla braçada subaquática na partida). Falta de experiência!... Fiquei triste pois tinha sido um bom tempo (para mim) mas, como diria o Arnold, "I'll be back!".
De tarde esperavam-me os 100 Livres e, depois da desqualificação da manhã, eu só queria desforrar-me. E assim foi. Fiz uma boa prova e terminei em 1'31''. Curiosamente, nadei os 100 Livres na mesma série do meu professor de Estudos Práticos - Natação da FCDEF-UP, Ricardo Fernandes, que nada agora pelo F. C. Porto.
Terminado o primeiro dia do Open regressámos a Abrantes (onde ficámos instalados) e fomos em busca de uma boa refeição. Sim, porque o fim de semana não ficou marcado apenas pela água. Bem no centro de Abrantes encontrámos um belo restaurante que, num espaço soberbo, nos serviu umas iguarias fabulosas (cabidela de galo, polvo à lagareiro e sável com açorda), acompanhadas de um bom tinto. Viva o espírito Master!
Depois de uma noite (que me pareceu curta) bem dormida regressámos a Ponte de Sôr para mais umas braçadas. A mim esperavam-me os 200 Livres.

(Partida dos 200 Livres)

Senti que parti rápido e, para evitar males maiores, acalmei o ritmo. Nas últimas piscinas voltei à carga e consegui fazer 3'24''. Não é nenhum tempo "canhão" mas, para um afogado como eu, é um tempo a melhorar.
Com esta prova encerrei a minha participação no Open. Foi uma prestação engraçada e uma experiência gratificante. Venha o próximo que eu tenho recordes a bater.