quarta-feira, 30 de maio de 2012

Estou Indignado (e preocupado e outras coisas terminadas em ado)...

Foi com profunda indignação e total discordância que me confrontei com o teor da matriz curricular para implementar no ano lectivo 2012/13, disponibilizada no sítio da Direcção Geral de Educação.
Esta proposta de matriz promove de forma totalmente injustificada e sem qualquer base científica
uma redução horária da única área do currículo que contribui directa e decisivamente para a saúde da população infanto-juvenil portuguesa, num contexto em que o país revela a segunda maior taxa de prevalência de obesidade e sobrepeso da Europa e uma das mais baixas taxas de prevalência de actividade física.

 
Ainda recentemente o presidente do Comité Olímpico de Portugal, Vicente Moura, afirmava que Portugal tem o mais baixo índice de actividade física na Europa, o mais baixo índice de atletas federados da Europa, que não há um plano de detecção de talentos, que não há um plano integrado de desenvolvimento desportivo e concluiu dizendo que é preciso "mobilizar a juventude" e que a prática de desporto devia ser obrigatória nas escolas e agora vem esta machadada na Educação Física.
Com esta matriz curricular a DGE promove o desenvolvimento de um dos maiores flagelos do século XXI, o sedentarismo, e compromete o imprescindível desenvolvimento de hábitos de vida saudável na população portuguesa. Esta matriz, para além de contrariar todas as orientações curriculares europeias, no que à Educação Física diz respeito, surge em contraponto a uma recente resolução da Assembleia da República Portuguesa, onde se reconhece a necessidade de se reforçar a actividade física da população em idade escolar. É a própria DGE que diz ser necessário "promover a saúde dos jovens, especificamente em matéria de alimentação saudável e actividade física" (aqui e aqui). 


Esta proposta considera a agregação da Educação Física, Educação Visual, TIC e Oferta de Escola numa área intitulada de Expressões e Tecnologias no 3º ciclo, à qual é atribuído um crédito total de minutos para ser gerido no seio de cada escola, de acordo com o critério dos seus gestores, permitindo que possa vir a desprezar-se totalmente a carga horária que estava definida para a área disciplinar da Educação Física, por ano/ciclo de escolaridade, que já de si era claramente insuficiente face a todas as orientações internacionais, nomeadamente europeias. No caso particular do Ensino Secundário, é proposta uma redução de trinta minutos na carga horária semanal da disciplina de Educação Física, o que perfaz cerca de menos 16 horas de aulas anuais, ou seja, menos cinco semanas de aulas por ano.


Será que os nossos (des)governantes estão conscientes das consequências nefastas para a saúde da população portuguesa desta decisão? Será que os nossos (des)governantes estão convenientemente informados sobre o impacto económico da prevenção da doença através da actividade física previsto pela Organização Mundial da Saúde?

terça-feira, 29 de maio de 2012

Triatlo Longo de S. Jacinto 2012


S. Jacinto (Aveiro) recebeu este fim de semana um pelotão numeroso e de grande qualidade para ali disputar o Campeonato Nacional de Triatlo Longo. O desafio a cumprir pelos cerca de 250 participantes (não só atletas nacionais mas também uma boa participação de atletas do país vizinho) consistia de 1900 metros de natação, 90 km de ciclismo e 21 km de corrida.


Depois de, no ano passado, ter feito ali a minha melhor marca pessoal (4h48’26'') este ano, com mais e melhor treino, pretendia melhora-la. Consegui, mas foi uma prova atribulada.
Logo no início, estava a entrar para o parque de transição para colocar o material e os juízes a informar-me que o parque estava mesmo a encerrar. Tinha 15 minutos para preparar todo o material, vestir o fato isotérmico e nadar até à partida. Foi um verdadeiro contra-relógio! Não tive tempo de aquecer mas aqueles poucos metros de água até à partida sempre deram para me ambientar à temperatura.
A natação não correu tão bem como eu esperava. É a velha história dos triatletas... Tenho evoluído na piscina, estou a nadar com muito mais consistência mas, em águas abertas, os tempos teimam em não aparecer. Depois de, em Monte Gordo, as condições da água não terem sido as ideais agora não tenho desculpas. É verdade que a partida foi algo confusa (há muito tempo que não levava tanto "pontapé" nem tanta "bofetada" numa partida de Triatlo) e que, por isso mesmo, demorei algum tempo a encontrar o meu espaço e o meu ritmo de nado mas...


O ciclismo (90 km divididos em 4 voltas entre S. Jacinto e Torreira) foi dos 3 segmentos aquele em que mais evolui, relativamente ao ano passado. Naturalmente a bicicleta de contra-relógio tem aqui a sua participação mas o treino fez seguramente a diferença. Este ano estou a treinar mais e melhor este segmento. Consegui cumprir o percurso de forma confortável e andei a esmagadora maioria do tempo nos aerobars. A única coisa que correu menos bem no ciclismo foi a nutrição. Não que eu não a tivesse treinado ou me tivesse esquecido dela durante a prova mas o meu estômago não quis colaborar. Senti que não estava a absorver a alimentação e comi/bebi menos do que tinha planeado.


Da corrida esperava melhor. Depois do bom resultado na Meia Maratona de Cortegaça pensei que conseguisse correr mais rápido do que fiz em S. Jacinto. Como me senti bem no final do segmento de ciclismo arranquei para a corrida impondo o ritmo para o qual eu queria correr (3'50'' a 3'55''/km). Aguentei assim 3 das 5 voltas que compunham o segmento mas nas 2 últimas não consegui e tive que baixar o ritmo.


Globalmente fiquei satisfeito com o resultado obtido mas penso que, quer no segmento de corrida quer principalmente no segmento de natação, tenho que fazer melhor.

Natação: 37'34''
T1: 2'34''
Ciclismo: 2h33'47''
T2: 47''
Corrida: 1h24'12''
Total: 4h38'55''
Classificação: 50.º Lugar Geral, 38.º Sénior

Finalmente (que isto já vai longo) gostaria de felicitar a equipa do Porto Runners Triatlo que, com uma numerosa comitiva, participou de uma forma brilhante nesta prova (incluindo uma estreia).
Uma palavra de agradecimento também para a organização desta prova que esteve bastante bem, mostrando que também é possível organizar eventos com qualidade cobrando custos reduzidos aos participantes.

Podem encontrar algumas fotos aqui (da autoria do meu irmão que, gentilmente, me acompanhou à prova).

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Há Dias Assim...

Ontem devia ter feito um treino longo de ciclismo com corrida no final, tendo em vista (principalmente mas não só) o Campeonato Nacional de Triatlo Longo que irá decorrer em S. Jacinto no próximo fim de semana. Contudo, as minhas pernas acusaram algum cansaço e recusaram-se a trabalhar. Eu ainda tentei não lhes dar ouvidos mas não foi possível. Tive que alterar o treino, acabando por rolar um pouco e adiando para hoje o treino longo planeado para ontem.


Assim, hoje foi um dia em cheio. De manhã comecei com  3 kms de natação (1h15'), divididos em repetições de 350, 300 e 250 metros. De tarde foi a vez de pegar na bicicleta de contra relógio  e fazer 93 kms (2h50'), muitos deles em ritmo de prova, seguidos de 10 kms (42') de corrida. Terminei cansado, naturalmente, mas satisfeito e com a sensação de dever cumprido. No total foram cerca de 4h45' de treino, percorrendo 106 kms.

domingo, 20 de maio de 2012

Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira

As Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira são jogos desportivos juvenis, inspirados nos Jogos Olímpicos e que procuram mobilizar para o desporto, todos os jovens do concelho. Este evento, que se realiza ininterruptamente desde 1976, é possivelmente o mais antigo e importante encontro desportivo do nosso país, na faixa etária dos 5 aos 14 anos.
Ao longo dos anos, as Mini Olimpíadas evoluíram de forma gradual, com a introdução de mais modalidades, que permitiram um número cada vez mais crescente de atletas e consequentemente uma organização cada vez mais exigente. Neste sentido, o Centro de Cultura e Recreio do Orfeão da Feira, através da sua Comissão Olímpica, tem realizado todos os esforços, de modo a oferecer a todos os atletas e demais participantes, as condições necessárias para que possam evoluir de forma saudável.
A edição deste ano, que será a 37.ª, contará com 15 modalidades que se desenrolarão em vários palcos desportivos do concelho entre os dias 26 de Maio e 22 de Julho e onde se esperam que cerca de 1200 crianças participem.


Depois de nos anos anteriores terem surgido as modalidades de Ciclismo BTT, Xadrez e Boccia, este ano, para além da consolidação e alargamento das modalidades já existentes, as Mini Olimpíadas contarão com mais uma modalidade – o Triatlo.

domingo, 13 de maio de 2012

Entre o Mar e a Floresta - Meia Maratona de Cortegaça

Hoje, 13 de Maio de 2012, foi dia de voltar a vestir a camisola do CAO e ir para a estrada.
Não éramos tantos como em Fátima mas ainda assim fomos quase um milhar os que, em Cortegaça, fizemos a nossa peregrinação.


Esta Meia Maratona (que vai já na sua 28.ª edição) ligava as praias de Cortegaça e do Furadouro, pela estrada da floresta. Um percurso interessante, protegido do sol em quase toda a sua extensão, mas - contrariamente ao que parece - num constante sobe e desce.


Não sendo a primeira vez que ia realizar esta prova este ano era diferente. Depois de nos anos anteriores, dada a proximidade com outras provas mais importantes, ter aproveitado a Meia Maratona de Cortegaça para fazer um treino mais longo e com mais qualidade, desta feita ia com o propósito de bater a minha melhor marca. O objectivo estava estabelecido, 1:15:00.
Com tamanho objectivo a tarefa era tudo menos fácil.  Não havia espaço para falhas. Um ritmo mais rápido ou um ritmo mais lento eram suficientes para deitar tudo a perder. O plano estava traçado. Ritmos muito próximos dos 3:30/km até aos 10 kms (passar próximo dos 35') e, na segunda metade, aguentar por aí pois assim ficava com uma margem (curta) para alguma quebra.
E as coisas não fugiram muito disto. Consegui partir num bom lugar e impus o ritmo desejado. Por volta dos 3 kms de prova juntei-me aos meus colegas de treino Marco e Orlando que seguiam no grupo da primeira atleta portuguesa - Doroteia Peixoto (segunda da geral feminina atrás de uma atleta queniana). Até aos 18 kms não há muita história, apenas o habitual. Os kms iam passando ao ritmo desejado, o grupo foi ficando cada vez mais pequeno, o pessoal da frente ia quebrando e ia sendo passado por nós e a Doroteia ia-se aguentando. Aos 18 kms, numa ligeira subida, o grupo cedeu e acabei por conseguir um ligeiro avanço. Procurei manter o andamento e à passagem aos 20 kms tive - finalmente - a noção que iria conseguir o meu objectivo. Já no km final consegui passar a atleta queniana e finalizar a Meia Maratona em 1:14:04, alcançando o meu melhor tempo na distância e o 34.º lugar da geral.

Para ajudar esta festa há ainda a registar a presença de muitas caras conhecidas nesta prova, desde o Atletismo ao Triatlo, com quem é sempre um gosto trocar umas palavras. Um abraço para todos!