domingo, 25 de setembro de 2011

III Triatlo Varzim Lazer - 24.Set.2011

A cidade de Póvoa de Varzim recebeu este sábado, uma vez mais, a comunidade triatlética para a 3.ª edição do Triatlo Varzim Lazer.
Sendo uma prova disputada na distância super-sprint (300m de natação + 10kms de ciclismo + 2,2kms de corrida) é uma óptima oportunidade para aqueles que se querem aventurar no mundo do triatlo mas têm algum receio das distâncias superiores. Com mais uma "vantagem", o percurso de natação é realizado na piscina (de 50 metros).
E assim foi. Foram muitos os atletas (e as atletas também) que se lançaram a este desafio pela primeira vez e, uns com mais facilidade do que outros, lá completaram o seu primeiro triatlo. Esperemos que o vício se instale e a comunidade triatlética ganhe, com estas iniciativas, mais adeptos.


Quanto à minha prestação, não sendo esta, de todo, uma distância que me agrade, não foi má. Cumpri as 3 voltas de natação (sem levar nenhuma volta de avanço!) e lancei-me para o ciclismo procurando ganhar algumas posições. Na 1.ª das 2 voltas passei alguns companheiros mas nunca consegui apanhar um grupo que seguia alguns metros à minha frente, pelo que fiz todo o percurso sozinho. Num ápice estava novamente no parque de transição. A corrida, extremamente curta, só tinha uma táctica - sprintar do princípio ao fim. E assim foi. Fiz todo o segmento ao máximo (que pude), alcançando a meta 30 minutos e 46 segundos depois da partida (17º lugar da classificação geral).


No final nada como umas costelinhas grelhadas acompanhadas de arroz de feijão e um copo de tinto do Douro, na companhia dos colegas do Porto Runners, para retemperar as forças.


Agora, com a época triatlética terminada para mim, vou-me concentrar na corrida. A Meia Maratona de Ovar está já aí e a Maratona do Porto não tarda.

domingo, 18 de setembro de 2011

Meia Maratona Sport Zone - 18.Set.2011

No dia em que, em Lisboa, se realizou a 3.ª etapa do Campeonato Nacional Individual de Triatlo (ainda ponderei ir lá competir mas 600 kms...) desloquei-me ao Porto para fazer a Meia Maratona Sport Zone.



A cidade estava em festa, havia gente aos magotes (para além da Meia Maratona decorreu também a Mini Maratona de 6 kms) e, por todo o lado, as camisolas laranja da prova coloriam as ruas. Para ajudar à romaria a manhã estava bastante solarenga e o tempo agradável (apenas um vento chato se fazia sentir).
Os meus treinos ainda não são muitos pelo que os objectivos não podem ser muito ambiciosos. A ideia era fazer uns kms mais rápidos e preparar a Maratona do Porto (6.Nov).
Chegado à partida e, depois de um breve aquecimento, dirigi-me para o pórtico da partida onde já se encontravam centenas de pessoas. Lá furei (furámos) o que pude e fiquei a cerca de 50m da linha de partida. Já sabia que o início não ia ser grande coisa, dada a quantidade de participantes, mas nunca pensei que fosse tão mau.
A partida atrasou 25 minutos o que nos fez ficar ali, comprimidos e a arrefecer, mais de meia hora. Lamentável!... Depois é a velha questão do pessoal que - a meu ver com muita falta de civismo - se coloca na frente da partida (vão para lá com mais de uma hora de antecedência para garantir os lugares da frente e nem aquecem - também não precisam...) para depois realizar a prova a um ritmo bastante lento, bloqueando os atletas que têm andamentos mais rápidos. Enfim!
Eu demorei 20 segundos a chegar à linha da partida e só com 500 metros de corrida é que consegui desenvencilhar-me do pessoal mais lento e começar a correr ao ritmo pretendido.
De resto, a prova em si não tem grande história. Pretendia fazer os primeiros 10 kms a cerca de 4'/km e depois acelerar um pouco para os 3'50''/3'55''/km. Acabei por fazer toda a prova praticamente ao mesmo ritmo e, apesar da frequência cardíaca ligeiramente alta (faltam-me treinos), foram as pernas que mais se queixaram com os últimos kms a serem feitos já com algum custo.
No final o tempo alcançado - 1h 22' 38'' (ritmo médio: 3'55''/km; 149.º lugar da classificação geral) - foi satisfatório.
O próximo teste para a Maratona será em Ovar, no dia 5.Out.

domingo, 11 de setembro de 2011

No topo...

Faltam-me ainda muitas coisas no curriculum, mas a subida à Torre de bicicleta deixou hoje de ser uma delas.
De manhã, bem cedo, dirigi-me para Viseu onde me encontrei com o meu colega de Natação Diogo (que também pedala) com o objectivo de fazermos Viseu - Nelas - Seia - Torre.


O tempo não estava brilhante mas também não ameaçava chover e, com todos os preparativos feitos, pusemo-nos ao caminho.
A duração deste desafio não era importante, queríamos era alcançar o cume da Serra da Estrela, pelo que o ritmo foi controlado ao longo do carrocel que é o sobe e desce entre Viseu e Seia. Aí chegados a coisa muda de figura. As subidas, até agora mais suaves e que iam alternando com as descidas, dão lugar a uma subida com mais de 20 kms e inclinações assustadoras (ainda que com 2 ou 3 curtas, muito curtas, descidas).
Mas tudo isto não era novidade para nós. Foi este o desafio a que nos propusemos, sabíamos o que íamos encontrar, por isso havia era que pedalar. E assim fizemos. Os andamentos resumiram-se a 25 (porque não tinha maior), 23 e, muito raramente, o 21. A cadência, contrariamente à frequência cardíaca, diminuía cada vez que a inclinação aumentava. Quando a coisa não subia muito dava para pedalar sentado mas, quando o inclinação era brutal (e tantas foram as inclinações brutais) não havia outra coisa a fazer que não fosse pedalar fora do selim.
E assim foram passando os kms (e a subida) até que, finalmente, chegámos ao Sabugueiro. Aquela descida soube às mil maravilhas mas, a subida que se seguiu foi penosa, muito penosa. Mais uns kms (quantas vezes eu pensei em voltar para trás...) e alcançámos a Lagoa Comprida. Mais uma descida (ainda que curta sempre dá para aliviar as pernas) e a meteorologia guardou-nos para esta parte final, já de si penosa, uma boa dose de vento, nevoeiro (bastante denso) e frio.
Contudo, a proximidade da Torre fazia esquecer tudo isto e, quase 4 horas depois de partirmos de Viseu lá alcançámos o (merecido) topo onde a esposa do Diogo (obrigado Filomena!) nos aguardava com o carro para regressarmos.


Depois de recuperar um pouco lá regressámos ao Sabugueiro onde, no Abrigo da Montanha, nos aguardava um banho e um belo almoço.
Bela experiência a repetir mas agora atacando a serra por outra vertente.
Aqui ficam alguns números.
Duração: 3h 45m
Distância: 73km
Ganho de elevação: 2410m

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Clean Style

Hoje, para ser diferente, vou começar pelas fotos...

O antes:





E o depois:




Como podem ver a minha Goka foi à clínica fazer um tratamento de estética e ficou com a frente mais "clean".
O guiador Deda deu lugar a um Specialized anatómico (em alumínio, oferecido pela namorada!) e as manetes foram substituídas por umas igualmente nipónicas Shimano 105 mas do modelo 2011 (com passagem interna dos cabos das mudanças).
Se a troca do guiador foi uma questão mais estética que outra coisa já o mesmo não se pode dizer das manetes. Há já algum tempo que as mudanças da frente da minha bicicleta se andavam a portar mal. Ora não desciam, ora não subiam, ora saltavam fora, enfim. Mesmo afinadas as danadas teimavam em não funcionar a 100%. A justificação que me davam era o facto da incompatibilidade entre a manete tripla (3 velocidades) e a pedaleira dupla (2 velocidades). Vai daí que, qual shampô + amaciador, aproveitei e fiz um verdadeiro 2 em 1, resolvendo o problema das mudanças e dando uma frente nova à minha Goka (como somos vaidosos...).
As primeiras impressões são bastantes boas quer pela posição de condução (maior apoio no guiador e no topo das manetes) quer pela passagem das mudanças (mais suave e mais rápida).
O tempo e os quilómetros dirão se fiz a melhor opção.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Garmin Forerunner 310XT HRM promovido

Já há algum tempo que o Garmin Forerunner 310XT HRM era o meu assistente nos treinos de corrida, onde me dava indicações preciosas acerca do tempo, da distância, da velocidade e da frequência cardíaca, entre outras.
 (Garmin Forerunner 310XT)


 (Monitor Cardíaco Premium que acompanha o 310XT no pack HRM)

Agora, com a compra do sensor de cadência/velocidade GSC-10 o Garmin Forerunner 310XT HRM passou a ser também a ser o meu assistente no ciclismo.

(Sensor de Cadência/Velocidade GSC-10)

Andava, de algum tempo a esta parte, a sentir a falta de uma informação importante nos meus treinos de bicicleta - a cadência (rpm). Ainda ponderei a compra de um ciclómetro que incluísse este dado mas, dado que o 310XT tem um potencial tão grande e engloba facilmente esta informação (com a ligação ao dito sensor), decidi-me por esta opção. Em boa hora o fiz pois o 310XT é de facto um aparelho fantástico com milhentas aplicações (eu não utilizo nem metade).
Agora, nos meus treinos de ciclismo, consigo monitorizar o tempo, a distância, a velocidade, a cadência e a frequência cardíaca, entre outras informações.

Só me faltam mesmo umas pernas que pedalem bem!... :)

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Back to work...

Pois é, alguma vez teria que ser...

Depois de umas (merecidas) férias onde, primeiro por culpa de uma inflamação no ombro (Este ombro é estranho pois, quando a intensidade do treino diminuiu, inflamou. Ele gosta é de muita carga e pouco descanso...) e depois por culpa da falta de vontade, acabei por treinar pouco (e que bem que soube...), estou de volta à rotina (quer dos treinos quer do trabalho).

Welcome back!...