segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

IV Trail de Conímbriga - Terras de Sicó

Decorreu ontem, em Condeixa-a-Nova, o IV Trail de Conímbriga - Terras de Sicó.


Este (Ultra) Trail é, para mim, um marco transitório. Ele separa a fase dos treinos mais aleatórios da fase dos treinos mais sistemáticos. No fundo, se ele falasse dir-me-ia algo do género "Hugo, chega de brincadeira, está na hora de voltarmos ao Triatlo a sério".
Esta prova, organizada pela Associação Desportiva O Mundo da Corrida, integrava 3 actividades: o Ultra Trail (45 kms), o Trail (22 kms) e a Caminhada (18 kms).
Os percursos destas actividades, cruzavam-se/sobrepunham-se em alguns pontos. Por um lado isto até é bom mas por outro lado, dada a elevada quantidade de pessoas presentes na Caminhada (o que é óptimo), toda a largura dos trilhos acabava por ficar ocupada, o que me obrigou (e certamente a outros companheiros) a um esforço redobrado para "pedir licença" para passar e para "zigue-zaguear" entre os caminhantes. Este esforço suplementar foi compensado pelo facto de passar (e receber o apoio) da Lili que seguia na "cabeça" da Caminhada. :-)
Os abastecimentos eram bons, com muita quantidade e variedade de comida (fruta, queijo, mel, etc.) e bebida (água e bebida isotónica). O preço da inscrição é um pouco elevado, embora seja compensado em parte pelas lembranças que recebemos (queijo, mel, vinho e doçaria, tudo produtos regionais).
Relativamente à prova, em si, é um percurso que me agrada. Tem um pouco de tudo, mas permite correr bastante tempo.
Sem intenção, acabei por usar a "técnica do mealheiro" (ganhei no início para gastar no final). Como o início é "rolante", parti com a malta da frente e, nos primeiros kms seguimos juntos. Quando as primeiras dificuldades começaram a aparecer, começaram as segmentações e eu fiquei por ali no top 10. Embalado, em boa parte pelo meu ego (dada a minha posição), fui seguindo e controlando, dentro das possibilidades, o esforço. Mas, tal como aconteceu o ano passado, o homem da marreta voltou a apanhar-me. Aí por volta dos 30 kms as forças começaram a faltar, as plantas dos pés foram contempladas com uma bolha cada e as caímbras teimavam em aparecer. Foram cerca de 15 kms sofridos (e sofríveis), a tentar minimizar as perdas e a esperar ansiosamente pela meta. 4 horas, 19 minutos e 56 segundos depois voltava a cruzar o pórtico da partida/meta.


Só agora, enquanto escrevo este texto, é que me apercebo que esta foi a minha primeira prova acima dos 42,2 kms. Já sou, oficialmente, um "Ultra"!...


No final ficou a satisfação do esforço me ter valido uma posição interessante (13.º Geral) e contribuir para que os Porto Runners conquistassem o 1.º lugar colectivo (Telmo Veloso, eu, Rui Costa e Susana Simões).


Os resultados completos podem ser consultados aqui.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

28.º Grande Prémio de Atletismo de Estarreja

Entre um empeno e outro, nada melhor que um bom ritmo...

 
Há provas a que não podemos faltar e, esta, para mim, é uma delas. Um percurso interessante, uma organização satisfatória e aqui ao lado de casa, não há como faltar.
Depois do Trail de Sta. Luzia, apesar de ter terminado bem, andei uns dias dorido e receei não conseguir recuperar a tempo de correr em Estarreja.
Felizmente tal não sucedeu e, ainda que com chuva e frio, ontem lá estava eu pronto para "sofrer" e lutar contra o relógio.
Não estando tão forte na corrida como estava o ano passado, o meu objectivo passava por conseguir baixar os 35 minutos.
Dado o tiro de partida lá me orientei e segui no ritmo estipulado. Ainda pensei acompanhar o grupo das primeiras mulheres mas pareceu-me lento e decidi seguir. Consegui gerir bem o ritmo e apenas do 8.º para o 9.º km é que o cronómetro indicou mais do que 3:30/km.
No final, apesar de cansado, estava satisfeito. Consegui cumprir os 10 kms em 34:47, alcançando o 14.º lugar Sénior Masculino.
Podem consular os resultados completos aqui.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Trail Sta. Luzia

Embora o trail não seja a minha modalidade de eleição é, certamente, uma actividade que me dá prazer. Poder correr pelo meio das serras, com paisagens incríveis e sem a "preocupação" do ritmo dá-me gozo.  O pior é mesmo a falta de preparação que faz com que eu ande uns dias bastante dorido após os trails... 
Este ano, à semelhança do ano passado, pretendo fazer o Trail de Conímbriga - Terras de Sicó, que decorrerá daqui a duas semanas. É mais um desafio, como tantos outros onde me tenho metido. Foi com esse objectivo que, no domingo passado, realizei o Trail de Sta. Luzia, em Viana do Castelo. Numa distância ligeiramente mais curta e com menor desnível era a "preparação" perfeita.


Depois de uma semana agradável (climaticamente falando), o domingo amanheceu chuvoso (muito chuvoso mesmo) e frio. Não são as melhores condições para um trail mas eram as possíveis.
Chegados (eu e a Lili que, mais uma vez, heroicamente me acompanhou) ao local da partida (Estádio Municipal Manuela Machado) e feitas as diligências habituais ainda houve tempo para conviver com alguns colegas destas lides. Verificámos também que a Lili ia passar uma valente seca (mesmo com a chuva forte que se fazia sentir). O Estádio fica retirado do centro da cidade, num local onde não existem diversões para quem não ia participar no trail e a organização não programou actividades para os acompanhantes. Um dos pontos a rever. Não basta "vender" o almoço para o/a acompanhante, é necessário realizar actividades para estes (e não é tão difícil/dispendioso assim).
Relativamente à prova, em si, achei o percurso interessante (com alguns bocados bastante rolantes), bem sinalizado, apenas penalizado pela chuva que tornou alguns bocados bastante escorregadios.


Fiz uma prova bem controlada, antevendo a necessidade de caminhar nas inclinações maiores, sem exagerar/arriscar (para não "rebentar" nem cair) e consegui acabar com um bom ritmo, o que me permitiu recuperar algumas posições nos kms finais. Foi um bom teste para o objectivo maior que se avizinha.
Relativamente à organização, para além da questão das actividades para os/as acompanhantes (já referida anteriormente), penso que tem que rever os abastecimentos. A quantidade/localização dos mesmos não me pareceu mal, já a qualidade dos mesmos deixou bastante a desejar. Para além da  água e dos gomos de laranja, pouco mais havia. No abastecimento sensivelmente a meio da prova ainda encontrei bebida isotónica, um cubos de bolo e vinho (???!!!...) e, mais para o final, broa com mel. Pouco, para a exigência da prova e, quem não levou abastecimento próprio (felizmente não foi o meu caso), certamente passou mal.

(Eu e o Marco Silva - companheiro de triatlo no Porto Runners - após a meta)

Aqui ficam os números.
Distância: 33 kms (com 2.600m de desnível acumulado, segundo a organização)
Tempo: 3h25m37
Classificação: 47.º Geral/35.º Sénior Masc. (a classificação completa pode ser consultada aqui).